20 de janeiro de 2013

[Etc e tal] Ebooks x Livros Físicos

Estamos na era digital, vivemos cercados por máquinas às vezes até mais inteligente que nós e todos os dias aparece uma novidade diferente. Para os amantes de livros, a novidade da vez é a chegada da Amazon Brasil e do Kindle, que promete incentivar a leitura dos livros digitais, os ebooks. A proposta é boa? É! Mas sinceramente, não me atrai. Eu sempre gostei de livros físicos, de entrar em livraria e ficar folheando o livro, cheirar livros (a rinite agradece), sentir o livro, então por esses e outros motivos (que eu já vou falar), eu não sinto vontade de comprar um ebook.
No último dia 7, o programa Roda Viva, da TV Cultura, recebeu o escritor e editor André Schiffrin, e em meio a sua entrevista o escritor comentou sobre a fusão das editoras e sobre a migração do mercado editorial para a esfera digital, e comentou sobre a Amazon, com uma frase capaz de colocar medo em todo mundo que ama um livro físico: "A Amazon já deixou claro que pretende eliminar as livrarias, e agora os editores. Eles querem ter o monopólio total. Isso é muito perigoso. Temos visto o número de livrarias cair." E eu sou obrigada a concordar com o escritor, ultimamente o número de livrarias tem diminuído, e as editoras estão investindo mais em ebooks.
Mas como o processo de ebooks é "novo" no Brasil nós, leitores, sofremos com os preços dos ebooks, os quais eu julgo estarem muito acima da faixa de preço normal para um ebook. Eu, por exemplo, não pagaria 26,90 em um livro digital que custa 25,30 como livro físico, é simplesmente um absurdo gente.
E aí também entra a questão da pirataria online, agora uma pausa: não estou incentivando o download de livros, só pra deixar claro. Quem nunca fez download ilegalmente de qualquer arquivo que seja, que atire a primeira pedra, a quantidade é pouco (ou quase nula), e aí quando eu, Ananda, me deparo com um preço absurdo desses, a minha primeira reação (movida pela indignação) é a de querer "quebrar o sistema", e se por um acaso do destino eu vejo um livro internacional sendo oferecido para download gratuitamente, e o mesmo está por um preço inacessível, eu tenho vontade de baixar o livro (e as vezes até baixo).
Muito se fala da pirataria online, mas ninguém (editora, autor, livraria online) pensa em reduzir os preços dos ebooks, seria muito mais fácil reduzir o preço do ebook para o seu valor real (para quem não sabe o ebook pode custar até 70% do preço de capa de um livro físico) e com isso evitaria a pirataria.
Mas ainda tem o caso dos impostos cobrados em cima dos ebooks, o site Revolução Ebook fez uma matéria interessante explicando o custo dos livros, lucro, etc.

"Imaginemos um eBook vendido em uma livraria por R$30,00. Se 35% ficar com a livraria, sobrará R$19,50 para a editora. Destes R$ 19,50, entre 7% e 15% (de R$2 a R$3) vão para o autor, 5% (R$1,50) com a distribuidora, cerca de R$0,50 custeiam a implementação do DRM. Ainda há os impostos, que podem variar, mas ficam em um intervalo entre 20% e 25% (de R$ 4 a R$ 5). Sobram então cerca de R$9,50 para a editora, e deste valor ela deve custear a sua equipe, as despesas administrativas. E só depois disso, vem o lucro. E a margem de lucro é baixa, ou quase nada."

Olhando por esse lado até dá para entender, mas (sempre existe um mas) eu ainda acho os preços abusivos, e isso é praticamente culpa dos impostos, que sempre são altos demais, colocados em cima dos ebooks. Por isso que eu sou a favor de sancionar a lei de isenção dos impostos, como é sugerido na matéria, porque com isso, talvez, os ebooks diminuíram os preços.
Entre muitas editoras que estão lançando ebooks, uma que se destaca é a Novo Conceito, que está colocando o preço dos seus ebooks com desconto, na Amazon, por exemplo, os ebooks custam 9,41. Esse preço eu acho justo pagar, e divulgo para todo mundo. Se algum de vocês quiserem adquirir os ebooks da Novo Conceito, basta acessar o link: www.amazon.com.br/novoconceito, vale a pena conferir os preços!

O que eu queria dizer com esse post, é que eu não concordo com a ideia da Amazon de eliminar as livraria, e penso que vai ser um fracasso total se eles realmente quiserem isso, ainda mais com esses preços. Eu só digo a vocês que, enquanto os preços abusivos dos ebooks continuaram, eu continuarei com os livros físicos e, se depender de mim, as livrarias não acabam.

Afinal não existe nada melhor do que organizar os livros na estante. (E essa é a minha)