26 de abril de 2013

Eu, livros e etc #6

Não sei se vocês já se sentiram assim, quando estão lendo um livro (ou até mesmo assistindo um filme) e ficam morrendo de raiva do personagem principal. Comigo isso acontece direto.
Vira e mexe eu cismo com um personagem, que às vezes quase todo mundo gosta, e fico pensando no quanto a história perde por causa dos trejeitos do personagem. Não sei até que ponto isso é paranoia minha, ou se foi a intenção do autor despertar raiva na hora de fazer com que aquele personagem fosse o principal.
A minha cisma, na maioria das vezes, é com as mulheres. Eu acho que a maioria dos autores pensa que nós somos coisinhas frágeis, que não conseguem pensar por conta própria e impulsivas. Tudo bem que existem algumas mulheres assim, mas precisa generalizar? Eu acho que a história ganha muito mais quando a protagonista não precisa ficar esperando alguém dizer a ela: anda criatura (não dessa forma, mas vocês entenderam).
A minha primeira cisma com personagem principal foi com Harry Potter, sim amiguinhos, amo de paixão a saga que tia Jo criou, mas em alguns (e não foram poucos) momentos dos livros eu tive vontade de entrar no livro e dar uns belos tapas em Harry, porque olha... O início de Harry Potter e a Ordem da Fênix que me fez ficar assim com o Harry, ô menino revoltado!
O meu problema com Harry melhorou depois de um tempo, mas aí outra saga se tornou um frisson, sim a amada e odiada (não sei em qual proporção), Crepúsculo. Momento confissão: fui crespulete durante um período curto da minha vida (entre os 15 e 16 anos), com direito a ler todos os livros e pedir desesperadamente o DVD do primeiro filme original (que tá aqui até hoje e eu não me desfaço dele também). Fim do momento confissão.
Mas gente, como a Bella é chaaaaaaaaaaaaaa∞ta (com infinito mesmo). Desde sempre achei a Bella songa monga e a culpa da Kristen ser tão criticada pela atuação nos filmes é da Stephanie Meyer, porque já vi dona Kiki atuando super bem (The Runaways é a dica).
Eclipse foi o ápice da minha revolta com a Bella, e um dos motivos pelo qual eu quase abandonei o livro, a menina não consegue se decidir sozinha, tem que ficar atrás de dois, ai, faz favor, se joga.
Ainda não me recuperei da cisma com Bella, e acho que nunca vou me recuperar. Continuando pelo lado vampiresco, eu também cismo com Elena, a protagonista mosca morta de The Vampire Diaries. Como eu tenho vontade de socar a cara da Elena, mas acho que essa é a intenção de L.J. Smith, mostrar como a Elena (pelo menos nos quatro primeiros livros) é oca por dentro.
Eu abandonei a série durante um bom tempo, tanto que li altos resumos com spoiler e pulei direto para Anoitecer, agora já li novamente os quatro primeiros livros e olha, Elena amadureceu muito na história, ou vai ver foi a autora que resolveu criar juízo na menina.
Esses são os exemplos ilustrados, mas também tem as personagens dentro dos livros, como Tamara (O Livro do Amanhã), Florence (A Menina Que Não Sabia Ler) e Clara (Um Lugar Para Ficar). Tamara me irritou desde sempre, apesar de ter gostado do livro, mas não acho que todas as meninas de 16 anos sejam como ela. Florence tinha tudo para ser A personagem principal, mas a história deu tantas voltas, que acabou se enrolando e o livro ficou entediante. E Clara, ah Clara, porque tão fraca e oprimida? A história acabou pra mim quando ela ficou cheia de dúvidas em relação à Cristian, tinha uma solução óbvia para isso e não fez nada.
E por fim, mas não menos importante, tenho a Julieta de Julieta Imortal, admito que O-D-I-E-I a personagem, achei ela totalmente sem noção e sem foco algum, motivo pelo qual gostei muito mais de Romeu Imortal.
Enfim, acho que deu pra perceber que eu cismo muito com os protagonistas né? Mas só os estrangeiros, ainda não encontrei um protagonista brasileiro que não me cativasse. E vocês, também cismam com os protagonistas? E os personagens de “plano de fundo”? Conta pra mim!