26 de setembro de 2013

[Eu, livros e etc] A vez dos nacionais


Não é de hoje que a literatura nacional vem ganhando espaço no meio editorial, acho tão bonito e legal ver autores contemporâneos conseguindo alcançar o topo dos mais vendidos, ou ainda esgotar seus livros nas lojas físicas e mais ainda por estarem nos primeiros lugares dos mais vendidos da Amazon Brasil.
Estive na Bienal do Livro no primeiro final de semana, conheci vários autores nacionais, reencontrei outros que admiro e fiquei emocionada em ver que eles estavam sendo mais vendidos que os autores internacionais.
E o carinho que os autores do nosso Brasil tem pelos livros é imenso, pude presenciar cenas de uns autografando o livro do outro, o carinho entre eles, sem aquela competição para ver quem vende mais, sabe? E também fiquei muito, mas muito feliz mesmo, com a atenção imensa que eles dão a nós, leitores.
Gostaria de deixar registrado aqui os meus parabéns a todos os autores nacionais que estão conseguindo seu espaço nesse mundo literário tão complicado, competindo com autores de peso e conquistando mais e mais leitores a cada dia.
E também queria deixar registrado o quanto fiquei feliz com alguns números na Bienal, como o fato do livro A Última Nota, da Lu Piras e do Felipe Colbert, ter esgotado (e também ao Felipe, por Ponto Cego), dois excelentes autores que merecem muito isso. Também gostaria de parabenizar a Tammy Luciano, pela simpatia com os leitores e por Claro Que Te Amo! também ter esgotado. À Laura Conrado por ter me dispensando um bom tempo de atenção e a sua simpatia imensa, mesmo que em um corredor lotado do Rio Centro. À Graciela Mayrink que me reconheceu, me deu um abraço imenso e que me conquistou com Até Eu Te Encontrar. À Lhaisa Andria e Paula Vendramini, a dupla com bonés de Mário e Luigi que foram super atenciosas e divertidas. À Marina Carvalho pela atenção e carinho, e pelas cópias autografadas de Simplesmente Ana. Luiza Trigo, por ser a fofura em forma de pessoa. E por fim, à Bruna Vieira e seu sorriso lindo, mesmo depois de ter assinado mais de 200 livros.
E uma nota especial aos autores que não pude conhecer na Bienal, mas que espero encontra-los nas próximas: Maurício Gomyde e Larissa Siriani.

Eu sei que o post não ficou lá essas coisas, mas foi escrito com todo amor e carinho.