23 de abril de 2014

[Resenha] Verão Cruel - Alyson Noël

Autor(a): Alyson Noël
Editora: Novo Século
ISBN: 9788542801729
Páginas: 184
Tradutor: Carolina Caires Coelho
Ano: 2014
Skoob
Avaliação: 3/5

Sinopse: Colby Cavendish, uma ex-nerd, decide mudar radicalmente sua própria imagem. Está ansiosa por participar de festas descoladas com a turma da praia e, se tudo der certo, ficar com o cara mais gostoso da escola, Levi Bonham. Mas seus planos vão por água abaixo quando seus pais a mandam passar férias forçadas na Grécia com sua tia. Presa em uma ilha sem shoppings e sem sinal de celular, ela teme ser rapidamente esquecida por seus amigos. Mas eis que conhece Yanni, um deus grego, e tudo muda. Colby acaba confusa e tudo indica que aquele sentimento será mais que uma simples paixonite de verão..

Nunca havia tido contato com a escrita da Alyson Noël, mas muita gente diz que gosta da escrita da autora e resolvi começar com um livro que, pela sinopse, parecia ser uma história engraçada e leve. O tamanho do livro (pouco menos de 200 páginas) favoreceu e eu achei que ia ser uma leitura rápida. Pois bem, me enganei. Não é que eu não tenha gostado do livro, mas achei que em alguns pontos a autora se enrolou na história e encheu linguiça.

Verão Cruel conta a história de Colby Cavendish por meio das páginas do seu diário. O livro começa com Colby sendo “despachada” para a Grécia, pois seus pais estavam se separando e resolveram que ela não deveria ver o divórcio. E desde o início foi mostrado como a personagem principal era vazia, superficial até. Colby fez muitas escolhas erradas, decidiu se reinventar se afastando dos antigos amigos. Alguns podem dizer que é fase da adolescência, bom, não passei por isso, logo, não entendo.

A história conta com muitos personagens e em Tinos, aonde Colby vai se hospedar com a tia, todo mundo conhece todo mundo. Não consegui simpatizar com Colby, achei a personagem muito infantil e birrenta, talvez isso tenha contribuído para me desanimar com o livro. Por outro lado, a tia de Colby foi um amor de pessoa, mesmo que não aparecendo tanto na história. Gostei de como ela deu espaço para Colby e as poucas conversas que teve com a sobrinha foram muito boas.

A autora tentou passar a mensagem de como somos apegados às redes sociais mostrando o “desespero” da personagem principal quando descobre que na casa da sua tia não tem WiFi. Mas achei que isso foi passado de forma errada, havia muito a ser explorado e Colby se deixou levar por outras coisas. Algumas situações mostradas foram verdadeiramente engraçadas, mas isso não muda o fato de que o livro como um todo não foi legal.


Verão Cruel foi uma leitura engraçadinha, mas não foi leve e nem rápida. Eu esperava que fossem explorados de uma forma melhor vários pontos, a autora pecou nisso. No geral, é uma história para entreter, mas não recomendo se você, assim como eu, não tem paciência com personagens mimadas e birrentas.