24 de julho de 2014

[Resenha] O Cavaleiro dos Sete Reinos - George R. R. Martin

Autor(a): George R. R. Martin
Editora: Leya
ISBN: 9788580448788
Páginas: 413
Tradutor: Marcia Blasques
Ano: 2014
Skoob



Sinopse: Duzentos anos após a Conquista, a dinastia Targaryen vive seu auge. Os Sete Reinos de Westeros atravessam um tempo de relativa paz, nos últimos anos do reinado do Bom Rei Daeron. É neste cenário que Dunk, um menino pobre da Baixada das Pulgas , tem uma chance única: deixar a vida miserável em Porto Real para se tornar escudeiro de um cavaleiro andante. Quando adulto, o cavaleiro morre e Dunk decide tomar seu lugar e fazer fama no torneio de Campina de Vaufreixo. É quando conhece Egg, um menino de dez anos, cabeça totalmente raspada, que é muito mais do que aparenta ser. Dunk aceita Egg como seu escudeiro e, juntos, viajam por Westeros em busca de trabalho e aventuras. Uma grande amizade nasce entre eles – uma amizade pela vida toda, mesmo quando, anos mais tarde, os dois personagens assumem papéis centrais na estrutura de poder dos Sete Reinos. As aventuras de Dunk e Egg trazem para os fãs de As Crônicas de Gelo e Fogo a oportunidade única de vivenciar outro momento da história de Westeros, de conhecer e analisar fatos que teriam desdobramentos noventa anos depois, na guerra dos tronos.

O Cavaleiro dos Sete Reinos foi a mais nova publicação de George R. R. Martin, contido no universo das Crônicas de Gelo e Fogo, o livro conta a história de Westeros 90 anos antes de A Guerra dos Tronos. Na narrativa conhecemos o jovem cavaleiro Dunk e seu escudeiro Egg, que na realidade é nada mais nada menos que o filho do príncipe, Aegon Targaryen.

A obra é dividida em três partes, O Cavaleiro Andante, A Espada Juramentada e O Cavaleiro Misterioso.

O Cavaleiro Andante fala principalmente da vida de escudeiro de Dunk e como ele conheceu Egg e descobriu a natureza real deste. Se metendo em confusão o jovem Dunk consegue uma briga com um príncipe e a ajuda de outro, criando assim uma batalha familiar memorável e a dúvida de Dunk por se meter na vida da realeza ou não.

A Espada Juramentada conta uma parte das aventuras do cavaleiro andante, trabalhando para um Sor já esquecido de Westeros e acabando numa disputa de terras que envolve uma Viúva Vermelha que tem este nome devido à quantidade de maridos enterrados. No meio da confusão Dunk aprende um pouco mais sobre a história dos Targaryen, principalmente sobre a batalha entre o Dragão Vermelho e o Dragão Negro.

O Cavaleiro Misterioso narra a continuação das andanças dos dois e nos leva há um casamento de um Lorde não muito poderoso mas aparentemente com amigos bem interessantes, Dunk resolve ganhar dinheiro nas justas e mal sabe o perigo que ele e o menino príncipe correm, num covil de traidores.

Como todo livro de George R.R. Martin, a narrativa é cativante e mantém um ritmo bom, porém me chamou bastante atenção eu ter lido tudo em 2 dias, pra quem estava acostumado com quase um mês lendo cada obra das Crônicas de Gelo e Fogo isso é rápido até demais.

Outra surpresa foi a ausência completa de obcenidades, nenhuma descrição de pessoas fazendo sexo, nenhum seio à mostra, nenhum incesto real e , tão surpreendente quanto ou mais, número mínimo de mortes. Parece que o autor resolveu tirar essa fama de assassino tarado (minhas palavras) de seu histórico.

Particularmente eu gostei bastante do livro, a história é interessante e nos deixa com vontade de saber tudo o que acontece entre o fim do livro e A Guerra dos Tronos. Eu só fiquei com uma impressão do livro ter sido feito mais para adolescentes do que para adultos, com uma narrativa juvenil e até inocente, ou posso apenas estar espelhando a história no perfil dos protagonistas.

Enfim, para qualquer fã de George R.R. Martin, o livro está recomendado. E para aqueles que nunca tiveram coragem de ler As Crônicas de Gelo e Fogo pelo tamanho dos livros, O Cavaleiro dos Sete Reinos pode ser uma boa forma de tomar coragem.