22 de julho de 2014

[Resenha] O Teste - Joelle Charbonneau

Autor(a): Joelle Charbonneau
Editora: Única Editora
ISBN: 9788567028231
Páginas: 320
Tradutor: Santiago Nazarian
Ano: 2014
Skoob
Avaliação: 4/5 + ♥

Sinopse: No dia de formatura de Malencia ‘Cia’ Vale e dos jovens da Colônia Cinco Lagos, tudo o que ela consegue imaginar – e esperar – é ser escolhida para O Teste, um programa elaborado pela Comunidade das Nações Unificadas, que seleciona os melhores e mais brilhantes recém-formados para que se tornem líderes na demorada reconstrução do mundo pós-guerra. Ela sabe que é um caminho árduo, mas existe pouca informação a respeito dessa seleção. Então, ela é finalmente escolhida e seu pai, que também havia participado da seleção, se mostra preocupado. Desconfiada de seu futuro, ela corajosamente segue para longe dos amigos e da família, talvez para sempre. O perigo e o terror a aguardam. Será que uma jovem é capaz de enfrentar um governo que a escolheu para se defender?

Enrolei um pouco para começar a ler O Teste, pois achei a premissa muito parecida com Jogos Vorazes, ainda mais que ouvi pessoas dizendo que era parecido. Bom, antes eu não tivesse feito isso. A história me prendeu de tal forma que terminei em poucos dias. Eu sou apaixonada por distopias e esse livro entrou para a lista dos meus favoritos.

A história segue a linha distópica da maior parte dos livros desse gênero, um mundo destruído “tentando” se reerguer. O diferencial em O Teste é que nele, pelo menos inicialmente, não existe esse terror que existe em outros livros distópicos. Existe uma centralização de poder, mas a divisão entre colônias gera uma sensação de que tudo está funcionando perfeitamente bem. E aí que entra Malencia (Cia) Vale. Diferente de todas as outras personagens de distopias que eu já li, Cia é uma garota decidida e esforçada. E ela quer porque quer ser escolhida para O Teste, uma prova que decide se você vai cursar uma universidade ou não. Mas não pensem que esse Teste é parecido com o ENEM que fazemos, pois não tem nada de igual.

A confiança é muito trabalhada na história, já na parte de trás do livro vem escrita uma das frases mais emblemáticas da história: “Não confie em ninguém”. E essa é uma das bases de toda a história. Os questionamentos que Cia é levada a fazer, a semente de dúvida plantada no início da história, tudo isso gera uma tensão tão grande no livro que não me deixou largar até finalizar. Sabe a Seleção Natural de Darwin? Onde o mais forte vence o mais fraco? Agora pense nisso misturando armas e adolescentes. É mais ou menos assim a história.

Eu gostei muito da Cia, mas em algumas partes ela foi meio songa-monga e birrenta, e isso me deixou com vontade de entrar no livro, dar dois tabefes na cara dela e falar: “para com isso!”. Outros personagens são apresentados na história, entre eles existe Thomas, um garoto da mesma colônia de Malencia que parece ser o sonho de todas as menininhas. Mas levando em consideração que o livro é narrado por Cia não é lá muito confiável essa descrição.

Uma crítica à história e que levou a me tirar uma estrelinha, apesar de ainda ser um favorito, foram alguns errinhos de continuidade. Por exemplo, em certa parte do livro Cia faz algo brilhante e super inteligente, e acaba por cometer um erro baseado no que ela evitou, entenderam? Isso causou uma confusão na minha cabeça. Fora isso, é uma história muito boa.

O livro terminou de uma forma que eu fiquei: aiminhanossasenhora preciso do segundo volume. Apesar de toda a tensão e vontade de jogar o livro longe em algumas partes (e penso que isso gera um livro bom), O Teste me ganhou justamente pela ausência de um vilão inicial. Prefiro muito mais ir descobrindo junto com Cia quem é confiável e quem não é.

E sobre a premissa ser parecida com Jogos Vorazes, realmente é, mas o desenvolvimento não é nada parecido. Vale super a pena conhecer.