3 de outubro de 2014

[Resenha] Reconstruindo Amelia - Kimberly McCreight

Autor(a): Kimberly McCreight
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580412857
Páginas: 3521
Tradutor: Carolina Alfaro
Ano: 2014
Skoob
Avaliação: 4/5

Sinopse: Kate Baron pensava conhecer sua filha, até o momento em que recebe a notícia trágica de que sua filha de 15 anos, Amelia, cometeu suicídio. Transitando entre os meses anteriores à morte de Amelia, assim como o passado de Kate, Reconstruindo Amelia conta uma história regada a mistério, questionamento e segredos.

Reconstruindo Amelia foi um daqueles casos de julgando pela capa. Não li a sinopse do livro, nem nenhuma resenha, apenas olhei a capa e pensei “esse livro parece ser bom”. E, ainda bem, que não errei no julgamento. Embora não tenha simpatizado com os personagens, confesso que senti uma estranheza em Kate, por ela ser tão ausente da vida da filha, a história possui um desenrolar excelente.

A transição espaço-tempo foi uma das partes que me deixou confusa no início, mas depois me situei e a narrativa fluiu muito bem. Amelia não era popular, nem a mais bonita da escola, mas o que sua mãe não a conhecia de verdade. Introduzindo o bullying como apoio, o livro mostra que até os segredos mais bem guardados podem vir à tona.

Um ponto importante e que foi bem focado era a ausência de amizades na vida de Amelia, o que a tornava suscetível a aceitar qualquer um na sua vida. Sylvia, a melhor amiga da protagonista, não me pareceu ser uma boa amiga. Pelo contrário, o jeito mandão e egoísta só contribuiu para eu desgostasse da personagem. A troca de mensagens com Ben, um garoto misterioso, também mostrou a ingenuidade de Amelia.

Kate se encontra perdida entre as milhões de mensagens, atualizações de Facebook, em busca da verdade. Afinal, para ela Amelia não tinha problemas. A culpa que se instala na mente dela é o que catalisa sua crença em Amelia não ter pulado do telhado da escola. Mas as descobertas que Kate faz durante a sua busca mostram que, apesar das aparências, Amelia tinha motivos suficientes para cometer suicídio.


O desfecho da história foi satisfatório, basicamente deu um nó na minha mente, porque eu não esperava que fosse fechar daquela forma. O livro não me tocou emocionalmente, embora as memórias compartilhadas por Kate de sua filha fossem bonitas. Acho que o clima de mistérios e segredos ao redor da narrativa meio que ofuscou isso. Apesar de tudo, foi um bom livro. A autora cumpriu o que prometeu na sinopse.