30 de dezembro de 2014

A postagem básica de fim de ano*

Fonte

Eu pensei muito no que escrever nesse texto. Na verdade, pensei até se o escreveria ou não. No início do ano eu disse que queria um ano melhor, continuar a crescer, me arrepender menos e viver mais (além de ler mais). Posso dizer que obtive sucesso em quase tudo, menos na parte do arrependimento. Eu questionei se um ano novo significaria uma vida nova. E volto a dizer: tudo depende de nós.

Chega uma hora da vida em que temos que fazer escolhas, abrir mão de algo em prol de um “bem maior”, por assim dizer. E eu abri mão de muita coisa durante este ano, mais precisamente no final do ano. 2014 não foi o melhor ano da minha vida, mas foi melhor que 2013, com certeza. Foi onde eu percebi que algumas vezes é necessário desacelerar um pouco, respirar e seguir em frente.

Eu dei um passo na minha “independência” quando resolvi ir à Bienal do Livro de SP. Arranjei um trabalho e fiz a trouxinha de dinheiro. Foi apertado? Pra cacete! Mas valeu a pena e eu faria tudo de novo só para reviver àquele final de semana. E consegui, finalmente, ir ao show da Paramore. Além disso, aprendi que, na maioria das vezes, o silêncio é meu maior aliado. Aprendi a relevar, perdoar e estender a mão. Falhei em algumas partes, é óbvio, mas pelo menos tentei.

Eu descobri também que tenho a mania de abraçar o mundo, isso ficou claro no 2º semestre. Com trabalho, família, namoro, blog e faculdade eu estava me sentindo a ponto de explodir. E foi quando eu comecei a abrir mão. Primeiro do trabalho, depois do blog e, por fim, reduzi (quase que a zero) o tempo que passava com meu namorado e minha família. Isso é um dos arrependimentos, não foi justo com eles eu “virar as costas” por não conseguir organizar meu tempo.

De qualquer forma, no final deu tudo certo. Porém, cheguei à decisão de que em 2015 algumas coisas irão mudar aqui no blog. Eu perdi o ânimo de escrever, virou uma obrigação. Terei três meses de férias pela frente, pretendo organizar tudo e descobrir se ainda gosto do blog, como gostava antes. Caso contrário, não será uma porta fechada para sempre, mas irei reduzi-lo a uma janela, aberta de vez em quando.

Agradeço a todos que estiveram presentes nesse ano, a Turminha dos Blogs com sua corrente de oração poderosa, o pessoal do Floodadores com suas macumbas fortes e a Boate Azul, que é o lugar aonde a gente vai pra curar a dor deste mal de amor. Obrigada pelo carinho dos leitores, por todos que leram minhas resenhas, e pelos que continuaram visitando o blog, mesmo quando este não tinha nada de novo. E que venha 2015!

* Por falta de nome melhor. Preciso melhorar em 2015.