7 de março de 2015

[Resenha] Tensão - Gail McHugh

Autor(a): Gail McHugh
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580413731
Páginas: 335
Tradutor: Claudia Costa Guimarães
Ano: 2015
Skoob
Avaliação: 2/5

Sinopse: Após a morte da mãe, a vida de Emily Cooper vira de cabeça para baixo. Ela precisa de um novo começo, e Dillon Parker, seu namorado, a convence a se mudar para mais perto dele a fim de passarem mais tempo juntos.
Em Nova York, Emily arranja um emprego temporário como garçonete em um restaurante no centro de Manhattan. Ao sair para fazer uma entrega logo no primeiro dia de trabalho, ela esbarra em Gavin Blake, um empresário sexy e bem-sucedido. Assim que seus olhares se encontram, há uma tensão no ar, mas nenhum dos dois consegue entender ou explicar essa forte conexão. Atormentada, Emily tenta não pensar muito naquele desconhecido que mexeu tanto com ela.
Porém, ela descobre que Dillon e Gavin são amigos e que terá de conviver com ele muito mais do que poderia ter imaginado. Perdida em sentimentos confusos, Emily sente o desejo por Gavin crescer e se tornar mais ardente a cada vez que se encontram. Será que os dois vão resistir à tensão ou se entregar a essa paixão, apesar de todas as consequências?

Antes de iniciar a resenha gostaria de prevenir a quem não leu o livro. Posso soar dura e bem, não vou dar spoilers, mas também não vou deixar de comentar os motivos que me fizeram desgostar extremamente de Tensão.

Emily passou por períodos difíceis, sua mãe faleceu e ela se mudou para NY, para recomeçar sua vida ao lado do namorado, Dillon, e de sua melhor amiga, Olivia. Comecei a leitura muito bem, porém isso não durou até o segundo capítulo. Um dos problemas se encontra na protagonista, mas não se restringe somente a ela. Simplesmente não me desce uma mocinha que aceita absolutamente tudo sem reclamar.

E é aí que mora o perigo. O relacionamento dela com Dillon é, acima de tudo, completamente abusivo. Ele é superprotetor, isso pode parecer fofo no início, considerando toda a reviravolta que sua vida teve. Mas a partir do momento em que o cara a obriga a trocar de roupa porque ele não quer que o resto do mundo veja o corpo da mulher, por favor, temos um problema sério. O que mais me incomodou em toda essa situação foi que Emily não se impõe, ela abaixa a cabeça e aceita como se estivesse ok.

No seu primeiro dia de trabalho, ela “conhece” Gavin. A química inevitável ocorre e começa todo esse jogo. A questão é que nisso começa todo um clichê batidão e que a autora não soube trabalhar. Temos o caso: namorado possessivo, mulher frágil e cara alheio que parece príncipe encantado. Só que acontece do cara alheio ser amigo do namorado possessivo. Obviamente isso iria dar confusão. Gavin poderia ser o oposto de Dillon, mas atitudes inumeráveis dele não fizeram com que eu caísse de amores.

Uma falha séria no enredo é a objetificação da mulher. Não apenas Emily, mas a maior parte do núcleo feminino é comparada a uma porta, sem conteúdo e sem pensamento. Gavin chega a dizer que são meros “preenchedores de vazio”, basicamente para fazer sexo e pular para a próxima da fila. Eu sei que existem mulheres assim, tanto como sei que existem várias mocinhas que aceitam tudo caladas. Mas estamos em 2015, pleno século 21, e eu não penso que deveríamos ser retratadas assim. É machista e ofensivo, ainda mais vindo de uma autora. Uma, ou talvez a única, que salva neste grupo é Olívia. Ela sim sabe se impor, sabe o que quer e que não precisa se submeter a tudo para ter alguém ao seu lado.

Em certos momentos da leitura eu me animava com a história e pensava: agora vai. Nunca foi. Era virar a página e dar de cara no muro. Eu sentia esperança de uma melhora, torcia para isso, só que não aconteceu. Foi todo um conjunto de erros que não conseguiu ser menor que os irrelevantes acertos. E o final do livro é o mais inacreditável de tudo. Eu fiquei chocada, não no bom sentido, e injuriada por conta de tudo o que aconteceu.

Tensão tinha um plot excelente para ser trabalhado. Porém a autora não se arriscou, apostou no clichezão e, infelizmente, eu não estava no modo para isso quando li. Vai agradar a alguns, as cenas hot são realmente tórridas, mas nem isso me fez ter vontade de dar uma chance à continuação.