25 de maio de 2015

[Resenha] Um Conto Sombrio dos Grimm - Adam Gidwitz

Autor(a): Adam Gidwitz
Editora: Galera Record - Selo Galera Júnior
ISBN: 9788501102706
Páginas: 272
Ano: 2015
Skoob
Avaliação: 3/5

Sinopse: João e Maria fugindo da própria história? Mas o que pode ter acontecido? Seus pais eram reis!! Os meninos tinham tudo que desejassem... não? Humm. Talvez a história não seja bem assim. Mas, então, qual a verdade? Descubra, acompanhando João e Maria em oito fábulas horripilantes. Em meio a muita aventura, os irmãos se deparam com bruxas, magos, caçadores com uma mira infernal, padeiros com fornos perfeitos para assar crianças... Tudo isso pode ser muito assustador, mas, diferente de outros contos de fada, é TUDO verdade! Ou, pelo menos, o mais próximo do que os próprios Grimm imaginaram.

Minhas últimas leituras foram todas na vibe de contos de fadas. Em Um Conto Sombrio dos Grimm, a história da vez é a de João e Maria. Sim, aqueles dois que se perderam na floresta, quase foram devorados por uma bruxa má, prenderam-na no forno e voltaram para sua casa, vivendo felizes para sempre. Ou será que não?

A premissa do autor é muito boa, de verdade. Recontar um dos maiores clássicos e relacionar com outras histórias escritas pelos irmãos Grimm deve ter dado um trabalho enorme. Porém, para mim não foi uma leitura satisfatória, por conta de n fatores, que muitas vezes me fizeram revirar os olhos.

O primeiro ponto que me incomodou muito foi o narrador, que ficava interrompendo a história toda hora para inserir um ou outro comentário. Foi legal nas duas ou três primeiras vezes, depois ficou um porre. Além do que eram comentários do tipo “tirem as crianças da sala porque agora vai ficar assustador”. Spoiler alert: não ficou. Nem um pouco. E isso me decepcionou.

Apesar de morrer de medo de histórias de terror, eu não consigo fugir delas. Isso foi uma das coisas que me fez querer ler este livro. Mas de sombrio ele não tem nada. Talvez porque o público a quem ele seja destinado seja mais novo, daí pode ser que ele assustaria as crianças. Comigo não foi bem assim. É bem sangrento, isso é verdade, mas já li e vi histórias piores.

Outro ponto que me desagradou foi a falta de uma linha temporal. João e Maria fogem quando crianças e ficam vagando durante o que me pareceu um tempo bem longo, mas nada indica que eles cresceram. Pelo contrário, no fim do livro eles continuam crianças. Coerência pra que, né?

Eu sei que praticamente todos os contos de fadas originais são bem violentos, inclusive o blog Este Já Li fala sobre isso. Entretanto, neste livro ficou claro que o autor fez um esforço enorme para criar algo que desse um medo, mesmo que mínimo. E isso eu também não gostei.

Um ponto positivo, além da premissa, é que conheci muitas outras histórias que nunca tinha ouvido falar. Isso foi bem interessante, mesmo que no contexto em que elas foram inseridas. Vale uma estrelinha por me expandir a mente nesse universo de contos. A escrita também é muito boa, quase não se percebe o livro passando de tão fácil que ela flui. Mesmo com as interrupções do narrador.

No geral, não é um livro de todo ruim. Mas para mim, que só na mesma semana já tinha finalizado duas releituras que me agradaram bastante, senti que nessa ficou faltando algo. Acredito que o autor pecou pelo excesso, nos alertas de perigo e na tentativa de dar medo. Como dizem por aí: menos é mais.