29 de agosto de 2015

[Resenha] O que eu quero pra mim - Lycia Barros

Autor(a): Lycia Barros
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580414066
Páginas: 208
Ano: 2015
Skoob
Avaliação: 3/5

Sinopse: Alice é independente, bem-sucedida profissionalmente e muito ambiciosa. Além do sucesso no trabalho, tem um namorado que é o sonho de qualquer mulher: lindo, apaixonado, louco para se casar e ter filhos. Mas ela não é qualquer mulher, e acha que a carreira vem antes de tudo. Então, quando Casseano a coloca contra a parede e exige mais espaço em sua vida, os dois entram em um impasse e acabam se separando. Em poucos dias, Alice sente que o fim do relacionamento está sendo mais duro do que esperava. Para piorar, o trabalho entra em crise e sua sócia, preocupada com a saúde da amiga, a obriga a se afastar por um tempo. As férias a ajudarão a arejar a cabeça e voltar mais produtiva.
Com tudo dando errado ao mesmo tempo, Alice aceita a sugestão e compra uma passagem para Londres. Chegando lá, mergulha numa profunda jornada de autodescobrimento e percebe o que realmente importa para ela. O que eu quero pra mim é um romance inspirador, que fala sobre a importância de conhecer a si mesmo e descobrir as próprias necessidades antes de trilhar de forma plena o caminho do amor.

Este não foi meu primeiro contato com a escrita da autora, porém foi o primeiro que não conseguiu me prender. Quando li a sinopse, imaginei que seria uma história emocionante. Porém, não é bem assim que aconteceu.

Alice foi uma personagem muito difícil de aceitar, de cara é possível notar que sua autoconfiança e sua independência são uma fachada. Por trás disso se esconde uma mulher frágil, mas que não é capaz de admitir isso em voz alta. Esse foi o meu primeiro problema com a protagonista. Por ser uma narrativa em primeira pessoa, fiquei extremamente incomodada com a forma como ela agia e com seus pensamentos.

Um fato concreto é que ninguém gosta de mudanças e se torna um fardo quando esta é forçada. Isso ficou claro durante boa parte da trama, por conta das "férias" que Alice tira. Neste ponto do livro que começam a surgir as inseguranças da narradora, sua dificuldade em se adaptar as mudanças. É uma boa guinada na história, pois faz com que o leitor se identifique com essa situação.

Eu tenho muito receio quando história brasileiras se passam fora do Brasil, principalmente por conta das descrições. Felizmente, não foi esse o caso de O que eu quero pra mim. Lycia consegue ambientar o livro de forma excelente, fazendo com que seja possível imaginar as cenas. Este foi sem dúvida um dos pontos altos na leitura.

Algumas situações no livro me incomodaram, pois o fluxo da narrativa não parecia fluir para aquele caminho, meio que forçando a situação. Acredito que boa parte da jornada de Alice foi ofuscada por estas passagens, o que fez com que a leitura tomasse um rumo diferente do que eu esperava. E isso, infelizmente, não me agradou.

Porém não tenho apenas críticas negativas para o enredo. Uma mensagem importante é passada, já quase no final. A cultivação do amor próprio, de entender sua posição no mundo e saber que nem sempre conseguiremos abraçar o mundo. Ouso dizer que isso foi o que garantiu as 3 estrelas na minha avaliação, mesmo que tenha demorado a ocorrer.

Mesmo não tendo sido um dos meus melhores contatos com a escrita da autora, O que eu quero pra mim é um livro bom. Cumpre ao que promete na sinopse, porém com uma narrativa arrastada e algumas controvérsias que atrapalham o desenrolar.