17 de setembro de 2015

[Resenha] As Aventuras do Caça-Feitiços: O Aprendiz e A Maldição - Joseph Delaney

Autor(a): Joseph Delaney
Editora: Bertrand Brasil
ISBN: 978-85-286-1315-5 / 978-85-286-1372-8
Páginas: 222 / 288
Ano: 2005
Skoob / Skoob
Avaliação: 3/5

Sinopse: Thomas Ward é o sétimo filho de um sétimo filho e se tornou aprendiz do Caça-Feitiço. A missão é árdua, o Caça-Feitiço é um homem frio e distante, e muitos aprendizes já fracassaram. De alguma forma, Thomas terá que aprender a exorcizar fantasmas, deter feiticeiras e amansar ogros. Quando, porém, é enganado e cai na armadilha de libertar Mãe Malkin, a feiticeira mais malévola do Condado, começa o horror...
O Caça-Feitiço e seu aprendiz viajaram a Priestown para tratar de um assunto pendente. Nas catacumbas da catedral está a criatura diabólica que o Caça-Feitiço não conseguiu derrotar. Chamam-na de Flagelo.
Quando Thomas Ward e seu mestre se preparam para a maior batalha de suas vidas, fica evidente que o Flagelo não é o seu único inimigo no Condado. O Inquisidor acabou de chegar à procura daqueles que lidam com as trevas. Será que eles conseguirão sobreviver ao horror que está a caminho?

A série de livros que vai dar a origem ao filme O Sétimo Filho promete logo na capa, feita de um material maravilhoso que dá uma textura daquelas capas de couro e já te coloca dentro do mundo de fantasia onde ogros existem.

Os livros ainda estão sendo escritos, mas já estão lá pelo sétimo. Li os dois primeiros porque eram os únicos que haviam no sebo aonde compro meus livros. Já tenho o quarto, mas não pularei o terceiro.

No primeiro livro da série, O Aprendiz, somos introduzidos no mundo onde vive Thomas. A história é ambientada num medievalismo mágico, onde feiticeiras, fantasmas e ogros existem. A pessoas, entretanto, sofrem nas mãos das trevas sem muita percepção disso. Mas nesse lugar, os sétimos filhos de sétimos filhos tem uma sexto sentido que as ajuda à identificar problemas. O Caça-Feitiços é uma dessas pessoas especiais que vive para deter o mal, mas por isso é discriminado e vive a margem da sociedade. Um anti-herói. Thomas também é um desses e começa a trama se tornando aprendiz do Caça-Feitiços do Condado. Logo no começo sentimos a trama que vai se desenrolar pelos próximos livros, pois a mãe de Thomas guarda vários segredos.

Mas por hora, somo apresentados ao mundo mágico e espetacular que Joseph cria. Ao se provar no mês de experiência e ao iniciar seus estudos, começamos, junto com Thomas, a conhecer as criaturas espetaculares. As sombras são registros de passados tristes. Já os fantasmas que podem nos causar mal e aos ogros, seres realmente complexos, de várias espécies.

Mas as feiticeiras dominam a história, quando Thomas conhece a jovem Alice e se envolve num plano de libertar Mãe Malkin, tia-avó da garota e uma feiticeira muita má.

Confesso que algumas atitudes do aprendiz causam estranhamento na trama, e em algumas partes realmente achei o moleque idiota por algumas atitudes que ele tomou. Só mais ao final do livro eu me lembrei que Thomas é um garoto de 12 anos, e pude aceitar melhor.

A trama do primeiro livro se desenvolve e fecha o próprio ciclo. Ele serve mais para apresentar o mundo e introduzir os personagens. O segundo livro que começa a trabalhar a trama maior, ao explorar a história do próprio Caça-Feitiços e o passado da mãe de Thomas.

N’A Maldição, vemos Thomas como um aprendiz excepcional, que já começa derrotando um ogro em um gancho que os leva à Priestown, onde se desenvolve a maior parte do livro. Nessa cidade grande está aprisionado o Flagelo, uma criatura das trevas poderosas. Ao mesmo tempo, o Inquisidor está na cidade e vemos a relação do Caça-Feitiços com a igreja. Essa trama do livro também surge e se desenvolve dentro dele mesmo.

Alice também está na cidade (a garota do livro anterior) e no meio da história ela precisa decidir se é uma feiticeira do bem ou do mal e nesse ponto temos o grande gancho do enredo maior.

É genial a forma como o autor consegue desenvolver tanto um caso curto quanto a trama principal. Em algumas partes as decisões de Thomas são confusas, como eu disse, deixando a escrita parecer um pouco artificial como se o autor quisesse forçar a trama a seguir o rumo planejado. O final de alguns personagens também é ruim, dando a impressão de que o autor não soube mais o que fazer com ele depois que o utilizou para dar forma ao enredo.

A descrição do mundo mágico é boa, com toda a complexidade envolvida nele, e nos deixa com sede por mais. O tipo de livro que não conseguimos parar de ler, mas somos obrigados ao escurecer. Não deve ser lido a noite!