15 de outubro de 2015

[Resenha] O Rabo da Serpente - Leonardo Padura

Autor(a): Leonardo Padura
Editora: Benvirá
ISBN: 9788582402085
Páginas: 155
Ano: 2015
Skoob
Avaliação: 1/5

Sinopse: O detetive Mario Conde não consegue ter sossego – nem durante suas tão merecidas férias. Patricia Chion, sua sedutora colega de trabalho na polícia cubana, resolve interromper seu descanso e pedir sua ajuda para investigar um crime ocorrido no velho Bairro Chinês de Havana. Pedro Cuang, 78 anos, fora encontrado morto em casa em condições bastante bizarras: enforcado, sem nenhuma roupa no corpo e com um estranho símbolo talhado no peito – além de ter o dedo indicador de sua mão esquerda cortado. Outro detalhe perturbador: seu cachorro também fora assassinado. A princípio convencido de que se trata de um crime da máfia chinesa, Conde pede o auxílio de Juan Chion, seu grande amigo e pai de Patricia. Juan o apresenta a antigos rituais e santos chineses, na tentativa de explicar o significado do símbolo no peito do morto, e logo o detetive se vê compelido a conhecer mais sobre os misteriosos rituais africanos de palo monte, nganga... Teria tudo isso alguma ligação com o crime? Ou seria apenas algo para despistar a polícia? Em meio à investigação, abastecida por muitas doses de álcool, Conde acaba descobrindo conexões e relacionamentos inesperados, negócios secretos, atividades ilegais, além de uma história de honra e desgraça que lhe faz finalmente entender a realidade de muitas famílias imigrantes asiáticas.

Retratado na cidade de Havana, o livro narra a investigação policial feita por Mario Conde em um misterioso caso de um assassinato de um chinês. A sinopse me fisgou de cara, mostrando ter todos os elementos necessários para um bom livro policial. Infelizmente, eu descobri que 155 páginas podem ser sofridas.

A narrativa é lenta, a descrição do ambiente, assim como as características dos personagens, são rasas. Além disso, existe uma xenofobia enorme por parte do Conde. Em diversas cenas foi possível notar que ele os considerava inferiores, fazendo duras críticas aos seus hábitos e costumes, sem contar a descrição de um "cheiro de chinês". Não sei se a intenção do autor foi passar essa impressão, mas não foi algo que me agradou.

Outro ponto que me incomodou bastante foi a falta de exploração dos personagens secundários. A tenente Patricia, que inicia todo o caso quando o leva a casa do policial, acaba por ser para as fantasias sexuais do mesmo, sem nenhuma relevância para a história em si. O pai da tenente por ser chinês sofreu com o preconceito e seu acréscimo à investigação foi mísero.

Durante praticamente toda a leitura eu fiquei entediada. Eu esperava um suspense policial que me pegasse de surpresa ao revelar o assassino. O que aconteceu foi que me deparei com uma história rasa, sem fluidez e um tanto óbvia, pois a revelação não me surpreendeu em nada.

Sou fã do gênero policial e acredito que existem leituras que valham mais a pena. O rabo da serpente não é um livro que eu recomendaria, pois não foi um livro que me prendeu.