2 de maio de 2016

[Resenha] Dama da Meia-Noite - Cassandra Clare

Autor(a): Cassandra Clare
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501401083
Páginas: 574
Ano: 2016
Skoob
Avaliação: 3/5

Sinopse: Emma Carstairs é uma Caçadora de Sombras, uma em uma longa linhagem de Caçadores de Sombras encarregados de protegerem o mundo de demônios. Com seu parabatai Julian Blackthorn, ela patrulha as ruas de uma Los Angeles escondida onde os vampiros fazem festa na Sunset Strip, e fadas estão à beira de uma guerra aberta com os Caçadores de Sombras. Quando corpos de seres humanos e fadas começam a aparecer mortos da mesma forma que os pais de Emma foram assassinados anos atrás, uma aliança é formada. Esta é a chance de Emma de vingança e a possibilidade de Julian ter de volta seu meio-irmão fada, Mark, que foi sequestrado há cinco anos. Tudo que Emma, Mark e Julian tem a fazer é resolver os assassinatos dentro de duas semanas antes que o assassino coloque eles na mira.

Quando terminei Cidade do Fogo Celestial eu fiz uma promessa (que quebrei logo em seguida) de nunca mais ler nada relacionado aos Caçadores de Sombras. Mas é aquele ditado: vamo fazer o que né? Inicio essa resenha reiterando a promessa: não volto mais. Porque tem uma hora que cansa ler sempre a mesma história, apenas com personagens diferentes.

Se você nunca teve contato com a escrita da autora, pode ter certeza que vai amar o livro. Eu, por já ter lido as outras duas séries, achei farinha do mesmo saco. E explico o motivo. Cassandra não sai fora da casinha, seja por medo de arriscar algo mais ousado, seja por estar confortável nessa posição. Aqui, temos o mesmo que já presenciamos nos outros livros dela: amor proibido, um vilão a ser derrotado, alguma traição grave, várias dúvidas, triângulo amoroso. Os mesmos elementos de sempre.

Eu insisti em ler Dama porque minha caridade paciência é grande e eu queria ver se tinha havido alguma mudança. Não ouve. O foco da narrativa é até interessante, Emma é uma personagem forte, mas faltou aquele tempero que me fizesse grudar no livro, como ocorreu nos primeiros de TMI e em toda série TID.

O livro não é de todo ruim, os diálogo entre Emma e Julian são beeeeeeem tensos, e algumas cenas de ação realmente fizeram ser bom. Mas eu confesso que esperava mais, muito mais. Acredito que por eu já ter conhecimento da escrita e da temática, se tornou cansativo.

O início, principalmente, é muito devagar devido às explicações dos acontecimentos dos livros anteriores. Isso se deve ao fato de ser uma série nova e eu super entendo a autora dar uma noção para quem não conhece. Embora não tenha me impedido de fazer leitura dinâmica.

Eu sei que provavelmente vou quebrar a promessa em algum momento, até porque o final deixa uma ponta solta que me deixou com uma curiosidade de leve e eu quero saber as respostas para algumas outras perguntas. Mas por enquanto, eu vou deixar um pouco de lado as marcas, estelas e pedras enfeitiçadas.

Volto a repetir que o livro não é ruim, só não me conquistou como eu esperava que fizesse. Óbvio que recomendo a quem gosta da série, e também a quem não conhece. A diagramação do livro está bem feita, a capa é maravilhosa, mas encontrei alguns erros de revisão, como troca de letras nas palavras, nada que interfira de forma significativa na leitura.